quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

KEY CLUB - Empresas com a denominação "PALME, S.A."


 GRUPO KEY CLUB
__________________________________________________________________________



PALME II Comercialização de Cartões de Desconto, S.A.

  • NIF: 503 364 908



PALME - Viagens e Turismo, S.A.

  • NIF: 503 413 755



PALME - Hotéis, S.A.

  • NIF: 503 551 929


____________________________


 MASSA INSOLVENTE de PALME II, SA

KEY CLUB
Administrador de Insolvência:

Dr. José Luís Caetano Marques
___________________________

Pedro Lopes

Andréia Henriques

Lisandra Pais

Sónia Cruz

___________________________________________



MASSA INSOLVENTE de PALME II, S.A.

Campo Grande, 28 - 3.º C

1700-093 Lisboa

___________________________



O Requerimento de Oposição à Injunção deve ser, obrigatoriamente, remetido a:

  • Balcão Nacional de Injunções

Não deve ser enviado à Palme II, S.A. sob pena de não ser aceite, por não ser remetido à entidade competente.

ATENÇÃO ao prazo legal dos 15 DIAS!  
Este prazo inicia-se a partir da data de assinatura do AVISO DE RECEPÇÃO (nos casos em que a notificação tenha sido remetida mediante Carta Registada com Aviso de Recepção).
 Nos restantes casos, o prazo é a partir da data certificada pelo Distribuidor Postal, escriturada no verso do envelope em que foi remetida a Notificação da Injunção.

Pagar a Taxa de Justiça, no momento da Distribuição do Processo, no respetivo Tribunal, é essencial para que a Oposição seja válida.
 A Taxa de Justiça pode ser liquidada na Secretaria Judicial do Tribunal.
 Após a liquidação da Taxa de Justiça é necessário enviar o comprovativo do pagamento para o Tribunal onde seja feita a Distribuição do Processo.

 
____________________________


Balcão Nacional de Injunções

Campo Mártires da Pátria
Palácio da Justiça
4099-012 Porto


  • Telefone: 222 092 702
  • Fax: 222 056 908
_______________________________________________________________________

8 comentários:

  1. Bom dia Pedro Alves,

    Preciso da sua ajuda!
    Recebi uma notificação do banco nacional de injunções relativa a um contrato com a key club, em que alegadamente estou em dívida no valor de 121,55€ supostamente anuidade referente ao ano de 2010/2011.
    Não tenho qualquer tipo de contacto com a empresa key club desde 2006 (paguei todas as mensalidades referentes ao cartão key club - 4428,00€). sou agora surpreendida com a presente injunção e com anuidades até 2019!!!???
    Contactei o departamento juridico do key club (através do contacto que se encontra na injunção)e depois de muita insistência apenas me disseram que ainda tinha que pagar custas num valor superior a 1000€.
    É nítido que estou a ser alvo de uma burla, preciso urgentemente que me ajude nesta situação. porque pretendo fazer oposição em tribunal até 31 de janeiro, fim de prazo judicial.
    Preciso de testemunhas que pelo que li o Pedro já se disponibilizou a arranjar e também de um esboço para a referida oposição.
    Agradeço desde já toda a ajuda e atenção dispensadas.
    Fico a aguardar com alguma ansiedade noticias suas.
    O meu contacto de e-mail é: almeida.anacatarina@gmail.com
    Catarina Almeida

    ResponderEliminar
  2. em contagem decrescente ;)

    ResponderEliminar
  3. Olá Gira Pomba

    O que queres dizer com "em contagem decrescente"?

    ResponderEliminar
  4. Estou muito contente com o meu clube de férias, Key Club, por se ter unido á Halcon. Gostei imenso das novas vantagens!

    ResponderEliminar
  5. Juiz de Direito: Dr(a). Sandra Cristina Veiga Reis Bettencourt Sousa
    Autor: Massa Insolvente de Palme II - Comercialização de Cartões Descontos, SA.
    Réu: Pedro Miguel de Oliveira Maia Alves
    Mandatário: Sofia Almeida Ribeiro
    Mandatário: Raquel Alves
    IV - DECISÃO
    Face ao exposto julgo a presente acção integralmente procedente por provada e,
    em consequência, condeno o Réu a pagar à Autora;
    a) a quantia de €668,60 acrescida de juros de mora às taxa legais previstas na
    Portaria 597/2005, de 19/07, desde a citação, até efectivo e integral pagamento;
    b) juros de mora às taxas legais previstas na Portaria 597/2005, de 19/07, sobre
    o capital de €78,50 desde 16/11/2010 até integral pagamento.
    *
    Custas pelo Réu por ter ficado integralmente vencido na acção.

    ResponderEliminar
  6. "Credibom - Instituição Financeira de Crédito, S.A", instaurou presente acção especial para cumprimento de obrigações pecuniárias emergentes de obrigações contra »»»».
    Pediu o pagamento da quantia de € 5.282,00 assim discriminada: € 5.133,68 de capital, € 52,32 de juros de mora à taxa de 4% desde 02-10-2006 até à data de entrada da petição (11-01- 07) e € 96,00 de taxa de justiça paga.
    Como fundamento, invocou "Mútuo" e a origem do crédito no contrato que identifica.
    A [Demandada, consumidora] apresentou contestação arguindo a nulidade dos dois contratos (de aquisição do cartão "Key Club Premium" e do contrato de crédito).
    Conferido contraditório, respondeu a CREDIBOM defendendo a improcedência da matéria de excepção alegando que a [Demandada, consumidora] nunca pôs em causa a validade da assinatura dos contratos, além de que as respectivas cláusulas lhe foram explicitadas.
    Procedeu-se à realização da audiência de discussão e julgamento, com observância do formalismo legal.


    III - Decisão
    Por tudo o exposto, por procedência das excepções de nulidade deduzidas, julga-se totalmente improcedente a acção e em consequência:
    - absolve-se a [Demandada, consumidora] do pedido formulado pela Credibom;
    - mais se declara a nulidade do contrato de crédito e, por ele a do contrato de associação de fls 12, com consequente devolução à [Demandada, consumidora] das duas prestações no montante de € 146,12 cada uma, num total de € 292,24.

    *
    Custas pela Credibom (art.º 446.°, do C. P. Civil).
    Notifique e registe.

    ResponderEliminar
  7. OBSERVATÓRIO DENUNCIA
    Ricos impunes

    «Carlos Pimenta, do Observatório de Economia e Gestão de Fraude, diz que crimes de colarinho branco são impunes porque a sociedade está "organizada pelos ricos e para os ricos".»

    Correio da Manhã, 06-02-2012

    ResponderEliminar
  8. A pergunta colocada, no actual momento económico, é de resposta imprevisível. Porque será que as pessoas não pagam as suas contas? andaremos insatisfeitos com as nossas casas para deixarmos de pagar as rendas e os empréstimos? andaremos insatisfeitos com o fornecedor de energia para não pagarmos as contas de electricidade, água, gaz? Sim, deve ser por isso. Estamos todos apenas insatisfeitos :(

    ResponderEliminar