quarta-feira, 14 de novembro de 2012

KEY CLUB - DESPESAS ADMINISTRATIVAS - Anuidades



CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO



CONDIÇÕES GERAIS

DO

CARTÃO KEY CLUB - "PREMIUM"








   O CARTÃO KEY CLUB PREMIUM  

  é um Cartão (...) que confere o acesso a 

   SERVIÇOS HOTELEIROS  

   CONTRATADOS  

_______________________________


As anuidades, nos termos das Condições Gerais dos "Contratos de Associação", destinavam-se ao suporte de DESPESAS ADMINISTRATIVAS:


  • Atendimento Permanente e PersonalizadoHorário: 09h30 - 18h30;
  • Informação Periódica, acerca da atividade social da PALME II / "KEY CLUB";
  • Distribuição de FOLHETOS e outros documentos;
  • Atualização Periódica do "MANUAL INFORMATIVO";
  • Gestão do Programa KEY POINTS;
  • Notícias Atualizadas através do envio de newsletters - A Publicação Periódica do Key Club denominada "KEY CLUB News".

 


*****




As anuidades não se destinavam a suportar as dívidas da PALME II, S.A. (Key Club), ou ao pagamento de indemnizações aos ex-empregados do KEY CLUB.
Destinavam-se a PRESTAR SERVIÇOS aos SÓCIOS do Key Club!
Será que vão dizer que isto é "uma falsa razão" e que não corresponde à Verdade?
Existe uma tentativa por parte da PALME II, S.A. (Key Club) em "eliminar" estas obrigações dos “Contratos de Associação”.
Assim, nos Contratos do KEY CLUB celebrados no Ano de 2008 verifica-se que ESTAS OBRIGAÇÕES deixaram de constar nas cláusulas dos “Contratos de Associação”!
Mas, apesar disso, estas cláusulas mantêm-se VÁLIDAS para os Sócios do Key Club que celebraram Contratos "Premium" antes do ano de 2008.
As modificações que foram introduzidas nos Contratos Key Club - no Ano de 2008
- NÃO SE APLICAM aos "Contratos de Associação" celebrados em anos anteriores!




*****
Se o Cartão Key Club Premium
é um cartão que deveria conferir o acesso
a SERVIÇOS HOTELEIROS,
porque motivo o Administrador de insolvência
fez a declaração de que

"O principal atrativo do Contrato"
são os Serviços de VIAGENS?


Serviços Hoteleiros...
 e Viagens,
são coisas totalmente diferentes!


O Administrador de insolvência
chega mesmo a declarar:


"As condições vantajosas eram as das VIAGENS."



Era suposto que "as condições vantajosas" 
serem os SERVIÇOS HOTELEIROS
a preços exclusivos para os Sócios KEY CLUB
e sem concorrência no mercado! 



Será que o OBJECTO
do "Contrato de Associação" ao KEY CLUB
foi alterado

e não foi comunicado por escrito essa modificação?



O objecto do Cartão KEY CLUB 
continua a ser na ÁREA DA HOTELARIA
e não, como foi sugerido, na Área das Viagens!


*****




10 comentários:

  1. È mesmo isso tem toda arazão era esse o intuito do comtrato só mesmo quem é cégo ou quer fazersepassar por tál.

    ResponderEliminar
  2. ajude-me por favor o que devo fazer para n ter que pagar as anuidades, que cf o solicitador por carta de requerimento de injunção devo 1602 euros e já me vieram penhorar o IRS de 393,74 euros? ainda vou a tempo de fazer alguma coisa?
    Isabel mail: jp.haupt@hotmail.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas,

      Faz referência a um solicitador, provavelmente o SE Mário Pelica.

      Se recebeu cópia do Requerimento de Injunção, certamente foi-lhe enviado em anexo à carta -CITAÇÃO DE EXECUTADO.

      Assim, conforme é referido nessa Citação, querendo, dispôe do prazo de 20 DIAS para deduzir Oposição à Execução, mediante Requerimento a ser entregue no Tribunal competente.

      João Pereira

      Eliminar
  3. AGORA, AQUILO QUE A PALME II ENVIA AOS SÓCIOS É:

    1 - A carta da anuidade;
    2 - A carta da Loja Jurídica;
    3 - A carta da Injunção.


    A PALME S.A. encerrou para liquidação,

    e agora a PALME II não dá conta do recado.

    No KEY CLUB são somente 6 funcionários...
    para atenderem 17 MIL SÓCIOS!

    ResponderEliminar
  4. Parece evidente que o suporte de despesas com a preparação, a impressão e o envio das PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS aos Sócios Key Club representava elevados custos para a insolvente PALME II, S.A. (KEY CLUB).

    Atualmente, os valores cobrados aos Sócios das "anuidades", destinam-se a suportar as despesas relativas às indemnizações a pagar aos ex-trabalhadores da PALME II, S.A. e ao pagamento das dívidas aos Credores, nomeadamente à CREDIBOM, S.A.

    É este o destino que está a ser dado ao dinheiro cobrado aos Sócios Key Club.

    ResponderEliminar

  5. "PAGUE AS ANUIDADES, para evitar pagar Custas Judiciais"

    Parece ser o principal argumento utilizado pelo KEY CLUB, via SMS, para convencer os sócios a pagar a anuidade.


    Esta é a politica de fidelização dos seus Associados utilizada pela PALME II, SA.

    Não importa se recebe ou não qualquer serviço:

    Deve pagar a sua anuidade, sem reclamar.

    (Come e cala!)

    ResponderEliminar
  6. Segundo a Palme II, cerca de 3.000 Sócios do KEY CLUB deixaram de pagar as anuidades.

    Apesar disso, o Administrador de insolvência diz que
    os Sócios sempre estiveram MUITO SATISFEITOS
    com os serviços prestados pela Palme II.

    Se os Sócios estavam satisfeitos com os serviços,
    porque motivo deixaram de pagar as anuidades?

    ResponderEliminar
  7. TRIBUNAL JUDICIAL DE CONDEIXA-A-NOVA

    Processo n.º 257785/11.7YIPRT



    I - RELATÓRIO

    “Massa Insolvente de Palme II – Comercialização de Cartões de Desconto, S.A.”, pessoa coletiva n.º 503 364 908, com sede no Campo Grande, n.º 28, 3.º C, Lisboa, por via de injunção contra E.S. (…) solicitou a notificação deste,
    no sentido de lhe ser paga a quantia de 121,55 €.

    Notificado o requerido, o mesmo deduziu oposição…



    (…) A questão suscitada nos presentes autos e que cumpre decidir é a de saber se foi celebrado o contrato invocado e, na afirmativa, se a autora tem direito ao recebimento do montante peticionado.



    II - FUNDAMENTAÇÃO

    Ora, dos factos provados resulta apenas que a autora e o réu acordaram, por escrito denominado “contrato de associação”, a entrega, por aquela, de um cartão “Key Club” e a disponibilização de um conjunto de serviços e descontos associados ao cartão e, o pagamento, pelo réu e como contrapartida, do preço do cartão e de uma anuidade, com vencimento em novembro de cada ano, durante o tempo de duração do contrato.

    Não resultou provado que o valor da anuidade vencida em Novembro de 2010 ascendesse ao valor de 79,20 € ou que, pelo não pagamento dessa anuidade, o réu ficasse obrigado a pagar uma penalização igual a 50% daquele valor, ou seja, no montante de 39,60 €.

    Conforme referido, competia à autora a prova de tais factos.
    Não tendo logrado fazê-lo, tem a presente ação necessariamente de improceder.



    III – DECISÃO

    Por todo o exposto, julgo IMPROCEDENTE, por não provada, a presente ação e, em consequência, absolvo o réu E.S. do pedido.


    Sem custas.

    Condeixa-a-Nova, 2012-06-26

    A Juíza de Direito

    ResponderEliminar

  8. Segundo foi anunciado, a recuperação da sociedade PALME II depende da recuperação da PALME - VIAGENS E TURISMO, S.A..

    Mas, se a PALME - VIAGENS E TURISMO, S.A. tem 0 empregados, vai recuperar de que modo?

    Ora, se a recuperação da PALME II, S.A. depende diretamente da recuperação da PALME VIAGENS E TURISMO, S.A., mas, se não existe qualquer Plano de Recuperação para esta "PALME", forçosamente teremos que concluir que a recuperação da PALME II encontra-se gravemente comprometida e que eventualmente tudo isto não passa de uma GRANDE FARSA!

    ONDE ESTÁ O NOSSO DINHEIRO?

    ResponderEliminar
  9. DEPARTAMENTO DE INVESTIGAÇÃO E ACÇÃO PENAL
    CAMPUS DA JUSTIÇA DE LISBOA
    Avenida D. João II
    1990-097 LISBOA


    "Nos termos do n.º 2, do art. 283, do CPP, o Ministério Público indica que não foram recolhidos indícios de verificação do crime.

    A MASSA INSOLVENTE DE PALME II alega que os arguidos iniciaram uma campanha difamatória contra si.

    Os arguidos alegam que foram enganados pela sociedade PALME II - Comercialização de Cartões de Desconto, S.A., agora declarada INSOLVENTE, e pretendem com este Movimento reunir o máximo de clientes da Palme II para agir contra esta sociedade e fazer valer os seus Direitos, pois, a Massa Insolvente pretende cobrar-lhes os prémios em dívida, quando o não pagamento está justificado porque aquela não prestou o serviço a que se obrigou contratualmente, para além de que os contratos celebrados são nulos.

    ASSIM, O QUE FAZEM É ACAUTELAR OS SEUS DIREITOS
    - Seus e de outros que estejam em idêntica situação."

    ResponderEliminar